Navegação – Mapa do site
Recensões

António Medeiros, Benjamim Pereira e João Alpuim Botelho, Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa

Luís Cunha
p. 617-630
Referência:

António Medeiros, Benjamim Pereira e João Alpuim Botelho, Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa. Viana do Castelo, Câmara Municipal de Viana do Castelo, 392 páginas. 2009

Texto integral

1O que esteve na origem da elaboração de Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa serve como prova adequada, não apenas da relevância do que a obra nos mostra, mas também da abrangência e transversalidade simbólica daquilo que a motivou: o traje à vianesa. A pretexto da comemoração dos 750 anos da outorga do foral a Viana do Castelo, a edilidade municipal decidiu desafiar Benjamim Enes Pereira para a realização de um estudo dedicado àquela que ao longo de muitas décadas, e ainda hoje, constitui uma forte marca identitária da região. A justificação desse convite tem tanto de ­simples como de revelador em relação ao que se jogava no projecto. Como nota o presidente do município na “Apresentação” da obra, trata-se de dar relevo a um ­símbolo reconhecido, desde há muito associado a Viana do Castelo, mas que, apesar dessa antiguidade, permanece vivo e dinâmico. A escolha do traje a pretexto de um acontecimento histórico tão remoto como a ­atribuição de um foral no século XIII é ­reveladora da importância que o município lhe atribui na configuração de uma ­identidade ­regional e seu ­reconhecimento nacional. Mas essa escolha mostrou também que, apesar de tudo quanto se escreveu sobre o tema, havia ainda uma história para contar – ou recontar, pouco importa para o caso. Uma história feita de datas e acontecimentos, mas também de discursos que configuram desejos e conflitos, visões e objectivos, ora contrastantes, ora confluentes. Foi com estes materiais, abundantes mas difusos, que os autores se abalançaram à escrita de Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa. Concretizaram-no como um trabalho de equipa, partindo de diferentes focalizações, mas certos de encontrar uma complementaridade que assegurasse um resultado final adequado às elevadas expectativas de que a proposta partiu.

2Lendo Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa, percebe-se com clareza a divisão de tarefas e através dela a lógica formal que enformou o trabalho. António ­Medeiros, no capítulo a que chamou “Um traje da nação”, retoma algumas questões que trabalhou em outros lugares e ocasiões, procurando dar conta do modo como se foram construindo as representações em torno do traje e, mais amplamente, do modo de imaginar o Minho. O contributo de Benjamim Pereira, em “O traje dito à vianesa” tem um sentido ­diferente, alicerçando-se, fundamentalmente, num enorme conhecimento técnico e atenção ao detalhe para elaborar uma verdadeira etnografia do traje, que vai desde o cultivo das matérias-primas às ­diferentes formas de uso do produto acabado. Finalmente, da parte de João Alpuim Botelho, é-nos oferecido um outro olhar sobre o mesmo objecto, no caso através da construção de uma cronologia extensa, que nos oferece uma panorâmica sobre o modo como o traje foi sendo usado e pensado ao longo do tempo, tendo como pano de fundo a história regional, nacional e mesmo internacional.

3Destes três contributos, julgamos poder dizer que os dois primeiros dialogam efectivamente entre si, enquanto o terceiro, muito embora revele um significativo trabalho de recolha de dados, acaba por surgir de uma forma algo desgarrada, quase como um apêndice ao trabalho. Voltaremos a esta questão. António Medeiros vale-se do seu vasto e consistente conhecimento da realidade minhota para construir uma visão diacrónica, não só do traje vianense ou à lavradeira, mas também das envolventes sociais e políticas que lhe dizem respeito. Trata-se de uma abordagem útil e esclarecedora, pois permite perceber o processo de fixação de um determinado padrão de traje e as diferentes forças e interesses que nele se envolvem. Percebemos, assim, as dinâmicas e as estratégias privilegiadas nesse longo processo, sejam elas os desfiles de trajes e cortejos etnográficos que gradualmente, e a partir do modelo desenvolvido em contexto urbano, “contaminam” as freguesias rurais (p. 39), ou o crescimento dos ranchos folclóricos em todo o concelho. Muito embora esta seja uma obra pensada para o “grande público” e com intuitos essencialmente de divulgação, a verdade é que isso não obsta à convocação de questões de maior profundidade, como podem ser as do diálogo entre tradição e modernidade ou as decorrentes de um olhar para outras realidades nacionais, igualmente marcadas pela promoção do traje no processo mais amplo de afirmação das identidades nacionais.

4O capítulo escrito por Benjamim Pereira constituirá, certamente, um marco importante para uma etnografia do traje à vianesa. Dividido em três partes, o seu contributo oferece-nos, em primeiro lugar, uma panorâmica geral sobre o tema, recorrendo a escritos fundacionais, como os que nos legaram Ramalho Ortigão ou Cláudio Basto. Por outro lado, e ainda nesta parte introdutória, o autor traça algumas distinções no traje usado em diferentes regiões de Viana. Na segunda parte, Benjamim Pereira ocupa-se das matérias-primas usadas na confecção do traje, dando-nos a conhecer os ciclos da lã e do linho e o modo como se foram modificando ao longo do tempo – e não apenas isso, note-se, mas, por exemplo, também o modo como se tem procurado recuperar, através de práticas performativas, a tradição do linho (p. 148). A parte final deste capítulo é dedicada a mostrar o modo de produção dos tecidos e de confecção dos trajes, de uma forma que apenas um conhecimento profundo do terreno, como é o de Benjamim Enes Pereira, possibilita.

5Como dissemos, estas duas partes complementam-se e articulam-se de uma forma que nos parece bastante pertinente. Em ambos os casos, o olhar constrói-se numa lógica diacrónica, sempre atenta, por isso, às dinâmicas sociais e políticas que levaram à fixação do traje à vianesa e à sua promoção a emblema regional e mesmo nacional. Neste sentido, o terceiro capítulo de Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa acaba por se mostrar nalguns casos redundante e, noutros, algo irrelevante. Percebe-se a dificuldade da proposta. Conseguir criar uma cronologia pertinente, que desse conta, simulta­neamente, do percurso do traje à vianense e dos acontecimentos da história nacional e mundial (p. 238), seria sempre tarefa complexa. Para lá dos critérios usados, inevitavelmente discutíveis, colocar-se-ia também a questão do equilíbrio entre os diferentes registos convocados. Nada disto põe em causa, evidentemente, o enorme esforço de recolha e sistematização de material, nem mesmo o que essa recolha significa no enriquecimento da obra e se oferece como um corpus incontornável para futuras abordagens deste tema. É na economia da obra, na sua arquitectura interna, que este contributo revela as fragilidades a que aludimos.

6Estamos perante um trabalho profundo, que consegue, todavia, conciliar o rigor com uma linguagem apelativa, capaz de suscitar interesse num público vasto, habitualmente distanciado da linguagem e das problematizações marcadamente académicas. Este não é, certamente, o menor dos méritos desta obra, pois é esse compromisso, entre a divulgação e o rigor, que permite a afirmação de qualquer disciplina para lá dos muros, demasiadamente fechados, da universidade. Trata-se, como vimos, de uma obra compósita, que junta contributos de diferentes autores, que não só se distinguem pela forma como abordam o tema, mas também pelos diferentes percursos pessoais e profissionais de cada um deles. Poderia resultar daqui uma manta de retalhos, mas não é isso que sucede. Para lá do que já foi dito, e que decorre da conceptualização da obra, há ainda um outro factor a considerar na eficácia do resultado final. Trata-se das ilustrações que enriquecem Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa e são, pode dizer-se, a sua alma. Reveladoras de um exaustivo trabalho de recolha, elas conseguem, quase sempre, um efectivo diálogo com o texto, funcionando, por essa razão, como o cimento que sustenta o edifício e lhe dá consistência. Com as inúmeras fotografias, cartazes e reproduções pictóricas, consegue-se ainda um outro efeito importante, uma espécie de elisão do tempo – o que não deixa de ser um efeito algo paradoxal, atendendo a que toda a obra se constrói numa lógica diacrónica. As fotos actuais, mais ou menos encenadas, dialogam com as antigas, nas quais a encenação, quando existe, tem um outro sentido. As diferenças, que evidentemente existem, são subsumidas nas semelhanças, que criam a ilusão de estarmos perante uma realidade quase imutável, uma insuspeita atemporalidade marcando o uso deste traje. É neste sentido que falamos de elisão do tempo, fenómeno que nos parece bastante sugestivo para discutir os processos de patrimonialização e a actualização das narrativas que dão sentido a tais processos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência da edição impressa

Luís Cunha, « António Medeiros, Benjamim Pereira e João Alpuim Botelho, Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa », Etnográfica, vol. 14 (3) | 2010, 617-630.

Referência da edição eletrónica

Luís Cunha, « António Medeiros, Benjamim Pereira e João Alpuim Botelho, Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa », Etnográfica [Online], vol. 14 (3) | 2010, Online desde 04 Outubro 2011, consultado em 21 Setembro 2017. URL : http://etnografica.revues.org/226

Topo da página