Navegação – Mapa do site
Retrato Benjamim Pereira

Os caminhos do Benjamim1

Clara Saraiva
p. 161-163

Texto integral

  • 1 Texto apresentado por ocasião do iv Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia (apa), Lisbo (...)

1O percurso de Benjamim Enes Pereira, nascido a 25 de Dezembro de 1928 em Montedor, Carreço, Viana do Castelo, encontra-se intimamente ligado à afirmação da antropologia em Portugal, quer nos seus planos de autonomização quer na diversificação da disciplina.

2O trabalho desenvolvido por Benjamim Pereira destaca-se pela importância dos estudos relativos à cultura material e, através destes, pelo profundo conhecimento sobre a sociedade portuguesa, que ajudou a cartografar de modo siste­mático, revelando constantes estruturais, especificidades regionais e locais e modos de adaptação decorrentes do fim de um “tempo longo”. Aliado ao interesse pela cultura material, o contributo na esfera da actividade museológica revelou-se desde logo no âmbito da implementação do Museu de Etnologia e da constituição das colecções relativas ao universo português, mas também, a partir da década de 1980, na sua implicação em projectos expositivos e em projectos de requalificação de museus de âmbito local e regional.

3Benjamim integrou em 1959, a convite de António Jorge Dias, o Centro de Estudos de Etnologia, criado como o primeiro pólo verdadeiramente dedicado à investigação antropológica em Portugal. Passou assim a fazer parte do grupo de excelência que, a partir dos finais da década de 1950, marcou decisivamente a etnografia portuguesa e a antropologia no país. Para tal muito contribuiu a criação, em 1962, do Centro de Estudos de Antropologia Cultural, na sequência da Missão de Estudos das Minorias Étnicas do Ultramar Português, realizada entre 1957 e 1962, fazendo parte da Junta de Investigações do Ultramar. Primeiro sob a direcção de António Jorge Dias e depois, após a morte deste, com Ernesto Veiga de Oliveira, este grupo de ­investigadores – que além de Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira contava também com a colaboração de Margot Dias e de Fernando Galhano –, inserido nestas duas unidades de investigação científica, trabalhou no sentido da criação de um Museu de Etnologia que tivesse um carácter universalista, e em que os povos de África, Américas e Ásia figurassem lado a lado com as culturas europeias.

4O Centro de Estudos de Etnologia daria assim conta das pesquisas e recolhas em Portugal, e o Centro de Estudos de Antropologia Cultural (cuja denominação mudou para Centro de Antropologia Cultural e Social em 1983, quando foi integrado, juntamente com o Museu de Etnologia, no Departamento de ­Ciências Etnológicas e Etno-Museológicas do Instituto de Investigação Científica Tropical) ocupar-se-ia das pesquisas fora do terreno português – com especial incidência nos trabalhos realizados em Moçambique por Margot e Jorge Dias e nas recolhas de Vítor Bandeira em África, nas Américas e na Ásia.

5As recolhas realizadas no país por esta equipa, sobretudo na década de 1960 e início da de 70, permitiram constituir, a partir dos trabalhos e pesquisas dos dois centros de investigação, o embrião do Museu de Etnologia.

6Entre 1963 e 1990, data em que se aposentou, Benjamim Pereira foi responsável pela concepção, execução e montagem de todas as exposições realizadas no Museu de Etnologia. Durante este período publicou inúmeros artigos e livros da especialidade, quer a título individual, quer em conjunto com os demais colaboradores do Centro de Estudos de Etnologia e do Centro de Antropologia Cultural e Social.

7Uma das suas obras iniciais, à qual dedicou vários anos de pesquisa logo após a sua integração na equipa, e que foi, como costuma dizer, a sua “licenciatura em antropologia”, constituiu um marco importante no campo da etnografia portuguesa; em Bibliografia Analítica da Etnografia Portuguesa, editado em 1965 pelo Instituto de Alta Cultura, ­Benjamim passa em revista de uma forma sistemática os vários textos escritos no âmbito da etnografia portuguesa até ao início da década de 1960, catalogando-os por temática e fornecendo para cada um deles um resumo, anotações e comentários imprescindíveis para quem se debruce sobre tais matérias.

8Entre 1990 e 2002 colaborou igualmente na montagem e concepção gráfica de exposições realizadas no mesmo museu. Foi também o responsável e executor da organização das reservas do Museu de Etnologia dedicadas ao mundo rural português, permitindo assim a sua abertura ao público sob a designação de “Galerias do Mundo Rural”.

9Em 1981, mediante pareceres dos professores Maria de Lourdes Belchior, Vitorino Magalhães Godinho e António José Saraiva, é nomeado para desempenhar funções docentes no Núcleo de Disciplinas de Cultura Portuguesa do Instituto Português de Ensino à Distância, na categoria de professor auxiliar convidado.

10O trabalho de Benjamim Enes Pereira em prol da divulgação da etnografia e da antropologia cultural como ciências sociais imprescindíveis e, sobretudo, da valorização da cultura portuguesa, tem continuado, mesmo após a sua saída do activo. Desde 1989, e até à presente data, Benjamim Pereira tem cooperado com a Rede Portuguesa de Museus na avaliação e consultoria a várias instituições e museus locais e regionais. Para além disso, tem também colaborado com várias instituições nacionais e internacionais, a nível museológico mas também de consultoria científica. Destaca-se nomeadamente o trabalho realizado em dezenas de instituições de carácter cultural, entre as quais museus e centros culturais locais e regionais nas mais variadas zonas do país e na Europa, dos quais se salientam os seguintes: Centro Cultural Raiano, em Idanha-a-Nova; Museu de Francisco Tavares Proença Júnior, Castelo Branco; Museu Regional de Paredes de Coura, Viana do Castelo; Museu do Canteiro, Alcains, ­Castelo Branco; Museu Rural de Boticas; Museu da Terra e do Mar, ­Carrapateira, ­Aljezur; Núcleo Museológico de Santo Estêvão, Tavira; Núcleo Expositivo de Lagares da Beira; Museum fur Voelkerkunde, Hamburgo, Alemanha.

11As últimas grandes realizações de Benjamim Pereira, o Museu da Luz, na aldeia da Luz, em Mourão, aberto ao público em 2003, e a nova galeria do Museu Abade de Baçal, inaugurada a 15 de Dezembro de 2006 em Bragança, bem como a colaboração na obra Uma Imagem da Nação: Traje à Vianesa (2009), constituem os testemunhos mais recentes da sua obra e mostram bem a actividade incansável que ele continua a exercer e a projecção do seu trabalho, quer a nível nacional quer internacional.

Topo da página

Notas

1 Texto apresentado por ocasião do iv Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia (apa), Lisboa, 9-11 de Setembro de 2009.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência da edição impressa

Clara Saraiva, « Os caminhos do Benjamim », Etnográfica, vol. 14 (1) | 2010, 161-163.

Referência da edição eletrónica

Clara Saraiva, « Os caminhos do Benjamim », Etnográfica [Online], vol. 14 (1) | 2010, Online desde 18 Outubro 2011, consultado em 26 Março 2017. URL : http://etnografica.revues.org/181 ; DOI : 10.4000/etnografica.181

Topo da página